De repente 15

19 Junho, 2018
Compartilhe nas redes sociais

“Never grow up: it’s a trap”

~Peter Pan

Eu sonhava com o dia que eu faria quinze anos. Uma menininha ali, na frente da televisão, assistindo High School Musical e querendo ser grande — grande como aqueles atores incríveis que cantavam e dançavam.

Toda criança quer ser adolescente. A gente fantasia mil realidades, mil situações, brincava até com as amigas de “ser grande” quando iam em casa. E esperava o dia chegar para saber como ia ser, esperava com o coraçãozinho a mil, desejando mais que tudo crescer.

Entretanto, conforme vamos riscando os dias no calendário da vida, as coisas tomam uma cara nova. Eu já não tenho mais dez anos. As barbies se aposentaram e, finalmente, se posso assim dizer, consigo vestir a fantasia de adolescente de verdade dessa vez. Quando minhas amigas vêm em casa, não brincamos de “ser grandes”, ao passo que jogamos conversa fora e rimos uma das outras, falamos sobre os assuntos que nossas versões infantis sonhavam em discutir com naturalidade.

Os anos passaram.

Mais um dia foi riscado e, hoje, eu faço quinze anos. Não pensei que seria tanta coisa assim, mas essa data mexeu de verdade comigo. Pensei naquela menininha sonhadora, cinco anos antes, que imaginava como seria fazer esse aniversário. Que idealizava, com todas as suas forças, a vida no Ensino Médio, a vida de uma adolescente.

Eu não pude conversar com ela mas, se pudesse, eu lhe contaria tudo. De como esse dia começou até a hora que vai acabar.

Todavia, eu também pensaria seriamente em lhe contar sobre o dia de hoje. Acho que ela ficaria sentida de saber que a vida não é um High School Musical, e crescer não é só cantar e dançar para aliviar os problemas. Não que eu não faça isso quando estou sozinha no meu quarto, é claro.

A vida é feita de fases, e sei que a que estou agora é boa. Porém, o que eu aprendi é que crescer é uma coisa que ninguém vai nos dizer como fazer: estamos sozinhos e precisamos aprender a passar de uma fase para a outra assim mesmo, sozinhos.

Se eu contasse àquela garotinha como eu descobri certas coisas, ela poderia ficar decepcionada. Ela tinha que desvendar por ela mesma, para se fortalecer e caminhar de encontro à sua própria personalidade, amor próprio e viajar por cada cantinho de seu coração.

Descobrir a si mesma.

A garotinha — exatamente pelo fato de ninguém ter contado nada a ela — está escrevendo esse texto agora. Eu agradeço à menininha por todos os momentos incríveis que ela me proporcionou, e agora, é hora da minha mais nova versão tomar conta desse desafio.

O desafio da vida. E é um baita desafio, não é? Eu e a garotinha temos certeza que vamos dar conta do recado.

Estou muito ansiosa para ver o que esse próximo capítulo da vida trouxe para mim. Resolvi segurar a caneta e escrever algumas linhas, só para ver no que vai dar. Prometo que vou contar tudo para vocês, ok?

Mas de uma coisa eu sei: isso vai ser um grande de um best-seller, podem esperar!

Ana Laura Marins

Leave a reply
Comecei a aprender francês sozinha! — 5 dicas para fazer tambémVá a algum lugar onde ninguém sabe seu nome — O que meu intercâmbio me ensinou
All comments (2)
  • Eduardo
    20 Junho, 2018 at 9:49

    Minha querida. Voce sera sempre a minha menininha .... Adoro voce e tenho muito orgulho de você. Beijo do Papai

    Reply
  • Heloisa
    20 Junho, 2018 at 10:21

    Adoro seus contos, Laurinha... e a vida é assim mesmo, cheia de surpresas e desafios e nós temos que contar cada vez com uma versão […] Read MoreAdoro seus contos, Laurinha... e a vida é assim mesmo, cheia de surpresas e desafios e nós temos que contar cada vez com uma versão nova de nós mesmas. Feliz aniversário! Feliz nova fase! Read Less

    Reply

Leave Your Reply

Sobre mim

Ana Laura Marins

Oie, eu sou a Ana Laura, tenho 15 anos e criei este blog para compartilhar meus sonhos e descobrir o meu lugar no mundo. Gosto de café, dias chuvosos e sorrisos sinceros, além da minha mania incurável de contar histórias.

Translate »